Operação irá fiscalizar estruturas de Carnaval para evitar acidentes no RN

Compartilhe

Depois de dois anos sem Carnaval, por conta das restrições da pandemia, os foliões retornam às ruas com os diversos blocos e as escolas de samba estão prontas para os desfiles. Por outro lado, nos bastidores, há uma preocupação com a segurança destes foliões. Por isso, para garantir que as montagens e instalações das estruturas nos polos carnavalescos do Estado sejam acompanhadas por responsáveis técnicos habilitados, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte (Crea-RN) pretende fiscalizar cerca de 80 municípios durante os festejos.

De acordo com a presidente do CREA-RN, Ana Adalgisa, em entrevista nesta terça-feira (14), ao programa “Jornal da Manhã”, da Jovem Pan News Natal, o trabalho de fiscalização faz parte do projeto “Carnaval Legal”, em parceria com Corpo de Bombeiros e Cosern e, ocorre há cinco anos.

“A fiscalização do CREA consiste a verificação in loco de todos os serviços técnicos, como: montagem do palco, projeto de palco, iluminação, gerador, camarote, arquibancada, trio elétrico e banheiros químicos, que precisam ser cuidados por um profissional habilitado e registrado pelo CREA. Além de ter sua Notação de Responsabilidade Técnica registrada (ART), documento importante para que o Corpo de Bombeiros libere a realização do evento”, explica.

ART é um documento que contém e define, para os efeitos legais, os responsáveis técnicos pelo desenvolvimento de atividade técnica no evento. “O papel do Crea é garantir que todos os serviços técnicos sejam executados por um profissional habilitado e registrado no conselho”, disse.

Fiscalização

A fiscalização ocorre em polos carnavalescos, que tenham algum serviço que precise da atuação do Crea. Em caso de descumprimento das normas, ocorre a autuação e o Corpo de Bombeiros não libera o local.

O profissional contratado pelo evento tem o prazo de 24 horas para o registro da ART dentro do site do CREA, pagar o boleto.

Segundo Ana Adalgisa, “o que a gente pede é que até sexta-feira (17), pela manhã, seja pago, porque no final de semana não vamos conseguir dar essa liberação a depender da situação da compensação bancária”, finalizou.

* Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores.