Professores da UFRN decidem encerrar greve após 59 dias

Compartilhe

Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Os professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte decidiram encerrar a greve da categoria nesta quinta-feira (20) após 59 dias de paralisação. A informação foi confirmada pelo Adurn-Sindicato, que representa os docentes.

A decisão aconteceu em um plebiscito no qual 61,4% dos professores votaram pelo retorno às atividades, enquanto 36,5% queriam manter o movimento grevista – 1,9% se absteve da decisão. Ao todo, 1.760 professores votaram.

O Adurn-Sindicato informou que vai se reunir nesta sexta-feira (21) com a reitoria da UFRN para discutir o ajuste do calendário acadêmico após a paralisação. Segundo o sindicato, a expectativa é de que as aulas retornem na segunda-feira (24).

A UFRN conta com cerca de 52,7 mil estudantes de graduação, pós-graduação e de cursos técnicos. Os professores estavam em greve desde o dia 22 de abril.

A diretoria do ADURN-Sindicato explicou que havia se posicionado em favor da retomada às atividades após alguns avanços na negociação com o governo federal, como:

a assinatura do Termo de Acordo pelo PROIFES-Federação, garantindo aos professores e professoras o reajuste linear de 9%, em 2025, e de 3,5%, em 2026
a reestruturação das carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT);
o reajuste dos valores dos auxílios alimentação, creche e saúde;
o anúncio feito pelo governo de R$5,5 bilhões para a consolidação e a expansão das universidades e dos hospitais universitários federais.

Técnico-administrativos da UFRN mantêm greve

Os servidores técnico-administrativos da UFRN, no entanto, decidiram em assembleia geral na quarta-feira (19) por manterem a greve. Os servidores estão em greve desde o dia 14 de março.

Segundo o Sindicato Estadual dos Trabalhadores em Educação do Ensino Superior do Rio Grande do Norte (Sintest RN), a categoria decidiu que só sairá da greve com a garantia documental de que os pleitos serão atendidos.

IFRN: proposta aceita, mas greve mantida

Os servidores – tanto técnico-administrativos como docentes – do Instituto Federal do Rio Grande do Norte decidiram após assembléia nesta quinta-feira (20) aprovar parte da proposta do governo federal, mas mantiveram a greve.

A decisão se deu, segundo o Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica, Profissionais e Tecnológica (Sinasefe Seção Natal), porque a proposta não foi formalizada pelo governo federal. Por isso, movimento condicionou o fim da paralisação à assinatura da greve.

O IFRN tem cerca de 38 mil estudantes. O calendário da instituição foi suspenso no início da greve.

Ufersa: técnicos e professores mantêm greve

Os técnico-administrativos da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) também aprovaram parte da proposta do governo, mas decidiram manter a greve, por considerarem que há pontos na proposta ainda para serem debatidos.

Já os professores decidiram manter a greve após assembleia nesta quinta-feira (20), segundo a Associação de Docentes da Ufersa (Adufersa).

Por g1 RN

* Todos os comentários são de responsabilidade dos seus autores.